quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

POESIA CONTEMPORÂNEA. POR YARA REGINA FRANCO



POESIA CONTEMPORÂNEA.


YARA REGINA FRANCO.






O que é contemporâneo? É referente ao tempo atual, onde se situa o aqui e agora. Não podemos falar do hoje sem lembrar que o contemporâneo sofreu a influência de movimentos anteriores. A poesia atual é produto do aperfeiçoamento da evolução social, histórica do ser humano.


No contemporâneo há modificação dos padrões sociais antigos, conforme se verifica em novos costumes que são retratados pelos poetas, inspirados nos temas do cotidiano. Existe uma nova forma de viver os relacionamentos com a derrubada de preconceitos. O homem deixou de ser “o cabeça do casal” e a mulher passou a ter igualdade de direitos e deveres; com o divórcio surgiu na sociedade à família mosaico; surgiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a barriga de aluguel; há novos conceitos e valores surgindo, por exemplo, novo padrão de beleza física, ou seja, nova forma de se cultuar o corpo com a prática de atividades físicas nas academias, os piercings, tatuagens, cirurgias plásticas, implantes e silicone; o uso e dependência do computador, dos celulares, da tecnologia; os avanços da idade e da medicina; a solidão, mal do século; o aumento da criminalidade e da “lei de Gerson”, ou seja, a lei da vantagem, a corrupção.


Tudo isso se reflete na linguagem, na poesia. O ambiente, o tempo e espaço em que vivemos tem papel primordial e se reflete na literatura e nas artes. Quando se derrubam os preconceitos surge a liberdade manifestada em todas as artes. Na poesia se manifesta com a liberdade da composição, não mais engessada com a necessidade de versos, rima e da métrica.


A poesia contemporânea encontra dificuldades com o mercado editorial, onde a prosa é preferida e, também, os autores renomados. Assim, os novos autores, independentes, para lançar o seu livro acabam arcando com os altos custos da produção e divulgação. Como estamos vivenciando esse período fazer uma análise mais apurada fica difícil.


Nota-se que a partir dos anos 90 há poetas escrevendo com diversas tendências, que são fortalecidos por diversos estilos e movimentos, havendo diversidade de gêneros e temas para todos os gostos.


Durante as últimas décadas, aproximadamente 40 anos, ocorreu a poesia concreta, a engajada e a marginal.


Os modernistas fizeram uma revolução que encontrou barreiras junto aos defensores da norma culta. Eles apresentaram a modernização das técnicas de composição poética com a abolição das rimas e da métrica e a valorização da língua e da cultura do povo.


Os modernistas destruíram antigos valores objetivando uma nova literatura mais próxima da realidade do povo, do seu linguajar cotidiano, coloquial.


A poesia brasileira se caracteriza hoje pela liberdade de forma, diversidade e riqueza.


Como a música e a poesia estabelecem um vínculo forte, vale lembrar que hoje se apresentam cantores e bandas de rock e rap com letras de músicas que tratam dos problemas do cotidiano nas grandes metrópoles, falando de personagens que lutam para encontrar melhores oportunidades de vida. Há poetas atuais, trovadores, que se destacam como admirados músicos populares. Podemos citar os tropicalistas: Caetano Veloso e Gilberto Gil, influenciados pelo movimento Antropofágico de Oswald de Andrade e pela poesia concreta.


Para ser poeta o fundamental é fazer poesia e escrever. Como o poeta é um cidadão o seu engajamento político pode ser importante, conforme o tema de sua escolha para escrever, principalmente se versar sobre psicologia, sociologia crítica, etc.


Como o nosso país, Brasil, é um país muito grande e de contraste, há a literatura regionalista, que trata dos problemas do local, com seu linguajar característico. Por exemplo: o sertanista trata do sertão e do seu habitante. A poesia mostra o folclore, influenciada pelos contos e lendas do povo, do índio. Assim, o poeta mostrando o seu sentimento íntimo, nos remete ao seu tempo e espaço.


As obras mostram o choque cultural do sertanejo, do rural com o urbano, as desigualdades sociais e a cultura nordestina. Na música destacou-se Luiz Gonzaga que cantava e versava sobre os problemas do sertão.


A linguagem nas diversas regiões apresenta variações motivadas por vários fatores sendo, também, falada de modo diferente; pode variar de um grupo social para outro. Além do mais, a língua passa por alterações decorrentes da transformação da própria sociedade, com palavras que caem em desuso e outras que surgem. É um processo natural da evolução.


Não basta escrever ou editar um livro, pois a finalidade e o objetivo só terminam com a leitura. O que importa é ser inventivo, original e claro, para ser compreendido pelo leitor e ser lido.


O poeta de hoje tem um compromisso e responsabilidade com a história, pois é a poesia produzida hoje que será estudada pelas gerações futuras e influenciará no amanhã.


Não vou citar trabalhos ou nomes de poetas contemporâneos porque todos os que estão na Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro – ANLPPB são poetas vivos contemporâneos e merecem destaques.




2 comentários:

  1. Parabéns pelo seu trabalho, muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom ler trabalhos esclarecedores que mostram as atuais condições do poeta e da poesia contemporânea.

    Parabéns Yara Regina Franco.

    ResponderExcluir